.um relato sobre meus alunos inesquecíveis.

Eu dou aula na escola pública há 3 anos. Na rede municipal de ensino. E eu poderia fazer uma lista quilométrica dos problemas que já tive por conta das burocracias burras, da falta de suporte ou dos alunos desatentos e descompromissados. Eu poderia, com certeza. Mas há 3 eu anos, eu volto pra casa tentando concentrar no que me faz bem insta_leo
nessa escolha que fiz pra vida. Pra mim, ser professora foi uma escolha bem consciente, após quase 10 anos de carteira de trabalho assinada. Uma escolha da qual ainda não me arrependo, apesar dos pesares. Apesar das decepções. Não me arrependo, porque todo dia volto pra casa concentrada no que de bacana essa escolha me trouxe. Já tive aluno que amava ler, compartilhava suas leituras comigo, e deixava que eu compartilhasse as minhas com ele. Já tive aluno que me dava bom dia com olhos nos olhos todos os dias, mesmo quando não tinham aula comigo, já tive aluno que me fazia companhia até a rua da minha casa no final do “expediente” só pra bater papo sobre a vida. Eu tive alunas que me contaram suas paixões e seus dilemas pré-adolescentes. Tive alunos que me perguntaram sobre Clarice Lispector, sobre a Ditadura no Brasil, sobre blogs, sobre as manifestações de 2013. Tive alunos que me ajudaram a executar um trabalho lindo com uma linha do tempo incrível sobre artes e sociedade dos anos 1920 até 2000. Alunos que me fizeram rir. Alunos que compunham funks cheio de rimas realmente boas. Tive alunos desenhistas. Alunos hipercriativos que fizeram celulares e óculos de papel. Tive alunos que me escreveram cartas de reconhecimento e carinho. Tive alunos que ouviam os mesmos sons que eu na adolescência, e que por isso, acabavam ouvindo outras canções que eu indicava. (Hoje, por exemplo, descobri uma aluna que ouve Nação Zumbi, veja só). Já tive aluno que parou de comer carne por amor aos animais. Já tive aluno capaz de discutir política e disposto aprender sobre ela. Já tive aluna defendendo o feminismo. Já tive aluno viciado em Mangá. Tive aluno que usa a bicicleta como meio de transporte e tive aluno que andava de skate. Tive aluno que queria entrar na ETEC. Tive aluno que queria ser artista. Já tive aluno contra a diminuição da maioridade penal. Já encontrei uma aluna na exposição dos Gêmeos, mesmo com uma fila de 3 horas. Já encontrei alunos no SESC, no café, em shows e algumas exposições. Já tive alunos de todas as cores e sabores, e alguns me marcaram o coração pra sempre. Porque eu poderia me segurar nas mazelas do dia a dia, mas eu prefiro eles.

Comentários

Comentários