.perguntar e perguntar. Parte 1

Diário de uma professora de Português 

19 de maio de 2016 Uma aula sobre perguntas

O resultado:

Por que temos preguiça? Por que os carros não voam? Por que nós temos nomes? Por que matemática é tão difícil? Por que existe sol? Por que Zeus casou com Hera? Qual é a maior prisão do mundo? Qual é a música mais velha do mundo? Qual é o tempo de vida dos ET’s? Qual lugar no mundo tem mais ossos de dinossauros? O que aconteceria se os animais selvagens invadissem as cidades? O que é Big Bang? O que significa crediário? O que tem no espaço sideral? Quem criou o alfabeto? Quem criou a luz? Quem decobriu a lua? Quem inventou o videogame? Onde se acham as ideias? Onde fica Nárnia? Onde fica Horwarts? Onde foram inventados os quadrinhos? Quando foi inventado o 1° computador? Quando será a 3ª Guerra Mundial? Quando começou a existir água na Terra? Quando iremos morar em Marte? Será que existe uma árvore que dá dinheiro? Será que existem anjos sobre nós? Será que a terra vai parar de girar algum dia? E se o mundo acabasse? E se a vida fosse infinita? E se a gente fosse mutante? E se a História não existisse? E se o Brasil tivesse um Tsunami? E se não existissem cadernos? E se acabasse o chocolate no mundo? E se não existisse queratina? E se não existisse amor? \E se acabasse a fome no mundo? E se a Terra fosse vermelha? E se acabasse a luz no mundo? E se o Brasil fosse uma ilha? E se os animais falassem? E se o Iphone fosse mais barato? E se os hbumanos fossem sereias e tritões? E  se fizessem filmes de terror para crianças?


Constatação 1. Toda vez que a gente entra em uma sala de aula, com atividade pronta, gramática em mãos e perguntas pros alunos, a verdade é que a gente acha que há muito mais a ensinar do que a aprender. Mas isso nem sempre é verdade. Hoje, por exemplo, eu aprendi tanto, que até resolvi compartilhar a ideia, o exercício, e meu “relatório” do dia com quem mais quiser ler.

Constatação 2. A gente acha que sabe o que os alunos querem ou precisam saber, mas a verdade é que se a gente não ouvir de verdade, continuaremos repondendo só o que não os interessa de fato.

Constatação 3. A gente pede pesquisa, pede trabalho, pede argumento, mas quase nunca explica como faz pra construir tudo isso. Tanto que tem uma porção de gente que já saiu da escola, e continua sem saber a importância dos questionamentos antes das afirmações. Não é só a escola que ensina isso, claro. Mas se pelo menos ela não fomentar curiosidade, quem vai?

Constatação 4. Em algum momento da vida, a gente para de ser curioso, para de se divertir com a dita “cultura inútil” e para de fazer perguntas para entender como as coisas funcionam ao nosso redor, de onde veio tudo o que nos cerca e o que foi feito ou pode ser feito sobre isso e aquilo. E isso é uma grande pena.

Constatação 5. Aprender pressupõe perguntar. Perguntar pressupõe querer entender. E todos estes verbos valem muito.


A AULA (modo de preparo):

Objetivos e conteúdos:

  • Uso de pontuação correta;
  • Uso de pronomes relativos;
  • Uso de verbos que pressupõe questões;
  • Uso da conjunção “se” em perspectivas, possibilidades;
  • Uso de perguntas para construção de ideias e argumentos;
  • Uso de perguntas para começar uma pesquisa, captar informações e entender assuntos diversos;
  • Elaboração textual.

Material:

  • O Livro das Perguntas – Pablo Neruda (em slides)
  • Algumas revistas Superinteressantes com foco na sessão “Oráculo” em matérias/reportagens que partem de “perguntas curiosas”  como: “Qual música certa para cada situação na vida?”, “Como enxergam os daltônicos” e “Por que advogados e médicos são chamados de doutor?”.

Plano de aula:

  • Apresentação dos pronomes relativos com exemplos do cotidiano. Incentivo à participação dos alunos com exemplos.
  • Apresentação em slides de algumas das perguntas do Livro das Perguntas, de Pablo Neruda.
  • Separação em grupos e distribuição das revistas, para que os alunos encontrem as matérias/reportagens que partem de perguntas. Com foco no uso correto da pontuação e pronomes relativos.
  • Elaboração de perguntas que usem os pronomes e que representem curiosidades reais dos alunos.
  • Busca por respostas.
  • Compartilhar as curiosidades descobertas e as respostas encontradas.

O que fazer com tudo isso? (Nota mental) 

  • Repensar o tanto de coisa que não sabemos;
  • Valorizar as nossas próprias dúvidas;
  • Não levar tudo tão a sério;
  • Mitologia e dinossauros importam, sim;
  • Pensar sobre coisas possíveis e impossíveis;
  • Perguntar mais.

Comentários

Comentários