.maresia.

Caminho com rima pobre. Telepatia, melancia, moradia. Não deixa de ser bonito ouvir o som de ecologia, mitologia paula-bonete grafia. Pra tudo ao redor se movimentar no mesmo ritmo em coreografia. Com melodia, galhardia e energia. Vestindo a fantasia, seguindo o som da cantoria, rodopiando conforme for a sinfonia. Se agarrar ao riso de alegria. Folia. Tempo corre. Ver beleza em cada dia. O afeto como guia. Usar alma, alquimia. Peito aberto, ventania. Corpo livre, autonomia. Tudo junto em sintonia. Todo o mundo em harmonia. Diplomacia, cidadania, sabedoria. Enxergar o outro como extensão: filosofia. Gastar no que é bom e justo a energia. Juntar amor à própria biografia. Igualdade e liberdade, ideologia. Não se gastar em nostalgia, melancolia e covardia. Perceber que o momento compreende em si porções diferentes de magia, poesia e teoria. Ondas. Somos feitos da mesma matéria da maresia, alternando calmaria e valentia. Ser sempre um pouco melhor hoje, apesar da astrologia. Seguir sendo pra si e para o outro, aquela idealizada boa companhia. Parceria, confraria, ufania. Em frente, reparar bem no que faz bem, mania. Arqueologia, astronomia, fotografia, homeopatia. Aproveitar a travessia, todavia. Simpatia, empatia, empatia…

 

 

Comentários

Comentários