.dez quadrinhos que gostei de ler e outros 4 que acho que vou gostar.

Acontece que eu gosto de ler quadrinhos…

Nunca fui uma colecionadora de revistas em quadrinhos, li dois ou três gibis da Marvel na adolescência por causa dos meus irmãos, e na realidade, em quantidade, eu só li mesmo “Turma da Mônica”, entre os 6 e 13 anos. Nada mais. E agora leio porque percebi que as histórias podem ser tão boas quanto ou até melhores do que as narrativas de livros e/ou filmes. E porque, se bem feito, é arte! =)

Logo, a lista abaixo não foi feita por uma conhecedora desse tipo de narrativa, mas por uma leitora curiosa, apenas. Pode ser um bom começo se você ainda não leu quadrinhos, ou pode servir de incentivo se você gosta de leituras mais leves, mas ainda não leu nenhum desses.

  • Calvin e Haroldo – Tem alguma coisa babando em baixo da cama 

Autor: Bill Wattersonhq1
Ano: 1988
Estados Unidos

Foi o primeiro livro que li inteiro do Calvin e Haroldo, aos 28 anos. Suficiente para causar vício e extrema paixão pelos personagens. Vai ver ser professora teve peso nessas consequências. Mas a verdade é que não há um “tipo” de leitores de Calvin e Haroldo. No documentário “Dear Mrs. Watterson“, isso fica bem claro, além de muitas outras curiosidades sobre o criador e suas criaturas. (Tem no Netflix!). Resumindo bem: Calvin é um menino de 6 anos, criativo e hiperativo, que consegue expor com criticidade e astúcia seus pensamentos sobre a estrutura social, as relações de família, a escola e muitos outros assuntos com os quais qualquer um de nós está bem familiarizado. Vale a pena muito, vale a pena sempre, valem a pena todos!

  • Macanudos 1 (e todos os outros)

Autor: Liniershq2
Ano: 2004
Argentina

Primeiro me deparei que o significado de macanudo, uma palavra que existe na língua portuguesa, mas que eu nunca tinha usado ou ouvido, significa “forte, respeitável, muito bom” e “admirável, de notável inteligência e beleza”. Não achei melhor jeito de definir os quadrinhos (todos) do Liniers. É tudo isso que o dicionário define, e mais. O livro Macanudo traz uma série de tirinhas curtas, sobre o cotidiano, sobre o ser humano e sobre o mundo como ele é, através dos olhos de vários personagens incríveis: Enriqueta, Fellini e Madariaga, Z-25 – o robô sensível, a Vaca Cinéfila, Duendes, Gente que anda por aí, Lorenzo e Teresita, Martin e Olga, e muitos outros. Os desenhos são super coloridos, algo que me atrai muito, e o modo de desenhar os quadrinhos não me parecem nada convencionais. Gosto muito.

Pra saber mais: http://www.porliniers.com/

  • Parafusos – Mania, depressão, Michelangelo e eu

Autor: Ellen Forneydownload (1)
Ano: 2012
Estados Unidos

Foi o último livro de quadrinhos que li. E gostei muito. A sinopse já atrai por si só: “Pouco antes de fazer 30 anos, Ellen Forney ficou sabendo que sofria de transtorno bipolar. Incontestavelmente maníaca, mas receosa de que os medicamentos a fizessem perder sua criatividade e seu ganha-pão, Ellen deu início a uma luta – que durou anos – para encontrar equilíbrio mental sem perder a si mesma ou a sua paixão [pela arte]. Buscando entender o conceito popular do “artista louco”, Ellen encontrou inspiração na vida e na obra de outros artistas e escritores que sofriam de transtornos do humor, entre os quais Vincent van Gogh, Georgia O’Keeffe, William Styron e Sylvia Plath”. A lista de artistas com transtornos é muita maior do que eu podia imaginar. Aumentou minha curiosidade sobre um monte de gente-gênio de quem eu só tinha ouvido falar até agora. Vale pra você que é bipolar, pra você que é depressivo, pra você que convive com pessoas que têm esses diagnósticos, pra você que é artista, pra você que é professor, pra você que é médico ou psicólogo, pra você que gosta de quadrinhos e biografias. Vale pra você!

  • Retalhos

Autor: Craig Thompsonhq4
Ano: 2003
Estados Unidos

Os desenhos são lindos. E a história é sobre a transição na adolescência. E uma autobiografia, em que Thompson retrata sua própria história, da infância até o início da vida adulta. Seu crescimento é marcado pelo temor a Deus – transmitido por sua família, seu colégio, seu pastor e as trágicas passagens bíblicas que lê, seus desejos naturais da idade e sua relação com o irmão mais novo.

Dá pra repensar uma série de coisas que todo mundo já viveu em algum momento da vida.

 

  • Umbigo sem fundo

Autor: Dash Sdownloadhaw 
Ano: 2008
Estados Unidos

Umbigo sem fundo narra com maturidade e humor, os conflitos individuais e familiares dos Loony. Tendo como tema principal o divórcio dos pais, o sofrimento que ele traz, e os segredos das relações e dos sentimentos individuais de cada personagem.

 

 

  • Simon’s cat

Autor: Simon Tofieldcapa_simons_cat_1.indd
Ano: 2009
Reino Unido

Eu poderia dizer tanta coisa… Mas se você tem gatos, e assistir isso aqui  https://www.youtube.com/user/simonscat  vai me entender sem que eu precise escrever mais nada.

E tem mais informação aqui também: http://simonscat.com/blog/category/simonscat/

 

  • Mulheres alteradas

Autor: Maitena Burundarenahq7
Ano: 1999
Argentina

Eu que não sou uma fã de humor, morro de rir com as similaridades entre um mulher e outra, e suas completas diferenças. Não podemos mesmo ser definidas pelos gênero. E acho que embora o quadrinho faça graça com o que quase toda mulher passa em algum momento da vida, dá também margem para discussão sobre nossa força, dilemas e as lutas diárias que enfrentamos com muito mais ferocidade e necessidade que os homens, infelizmente. Para alguns pode parecer humor sobre estereótipos, mas pra mim parece apenas humor com a realidade. Eu gosto.

 

  • Persépolis

Autor: Marjane SatrapiPersepolis_28nov2007
Ano: 2000
Irã/ França

Tem filme! É uma autobiografia da autora, sobre sua infância, adolescência e início da vida adulta  no Irã durante e após a revolução islâmica. Persepólis, na verdade, é a antiga capital do império persa, que a partir de 522a.C. dominou o Oriente Médio.

 

 

  • Maus – A história de um sobrevivente

Autor: Art Spielgemanhq9
Ano: 1991
Estados Unidos/ Suécia

Tem que ler os dois livro? Tem!
Resumindo, Art Spiegelman narra a luta de seu pai, um judeu polonês, para sobreviver ao Holocausto, numa história cheia de detalhes, em que os judeus são caracterizados como os ratos (em alemão: maus), os alemães, gatos, os franceses, sapos, os poloneses, porcos, os americanos, cachorros, os suecos, renas, os ciganos, traças e os ingleses, peixes. Foi o primeiro livro de quadrinhos que li na vida, e não poderia ter tido um começo melhor!

 

  • O Menino Maluquinho

Autor: Zilradohq10
Ano: 1980
Brasil

É sobre meninos criativos, sobre meninos bagunceiros, é sobre meninos, é sobre crianças. E eu gosto de crianças.

 

 

 

Outros quadrinhos que quero ler:

Um contrato com Deus (Will Eisner)
Cachalote (Daniel Galera e Rafael Coutinho)
Fritz, the Cat (Robert Crumb)
Sandman (Neil Gaiman)

E aceito sugestões para aumentar a lista! =)

Comentários

Comentários