.insônia.

Algumas vezes não durmo. Madrugada adentro de olhos fechados e alma desperta. A lua minguante me atravessa. Sinto calor, gosto amargo na boca e saudade. Tomada de cansaço, insisto em caminhar pelas estradas mais longas dentro de mim. Fechando portas e abrindo janelas. Imensidão.  Não quero me perder. De olhos fechados, concentro no caminho que percorro.  Os sons todos me abraçam. Encontro a lembrança mais remota, e deixo que ela se desfaça no ar. As horas vão passando, os pensamentos também. O corpo morno revira-se tomado de necessidade de voar. E voa. Dou por mim de volta ao chão quando já é dia claro, sem saber muito bem se dormi, enfim, ou se alcancei as nuvens.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *