.fado.

No horizonte, a gente enxerga céu, amanheceres, crepúsculos, possibilidades. É pra onde se deve caminhar. Passo depois de passo, alguns tropeços, corridas e tentativas de retorno. A gente sempre acaba indo em frente ou, no máximo, estagna, senta no chão e chora. Pra frente é que se anda, e ainda que o olhar esteja no que passou, não há como voltar atrás. O que nos espera é o porvir, à espera de ser escrito, desenhado, vivido. Por mais que se tracem rotas perfeitas, há miragens, abismos e bifurcações. É preciso estratégia, sim, mas principalmente flexibilidade. Um céu nunca é igual ao outro. Nem as fronteiras. Nem as histórias. E o que há de vir guarda imprecisão. O agora é construção, mas é também surpresa. Acaso ou destino, que seja. Nem tudo é obra de escolhas sensatas, milimetricamente pensadas. As vezes, o amanhã é calcado no imprevisto ou numa mudança súbita não planejada. É quando o horizonte, incerto, se esconde atrás de neblina. Os passos precisam ser mais curtos, firmados no chão, calmos, sem grandes expectativas. E a gente não aprende a esperar pra ver. Quer pra já e não mais tarde. De nada adianta querer. Dá medo não saber o que será. Mas medo é parte da travessia. E é no não saber que se guarda a beleza do reencontro da claridade e da imensidão. Certos encantos só se encontram no depois, feito a sorte de tropeçar em mais um botão pra coleção. É sem aviso. E vai chegar. Deixa vir.

Só o amor é luz.

 

.pé-de-meia.

A gente precisa mesmo. Tá dito. Roupa, canto, comida se paga com vintém. Fazer pé de meia pra uma velhice tranquila, a gente pensa. Quer poupança e investimento. E pro hoje, tanta coisa pra encher os espaços vazios da nossa vida. A gente quer ter, quer garantir. E precisa, diz-se. Prata, moeda, tostão. Um montante salvaguarda e proteção. No pé-de-meia cabe ouro, cabe nota, cabe tudo que sobra de cada pedaço do nosso tempo vendido. Pra uma vida feliz: dinheiro. Para uma existência mais amena: grana. Pro amanhã: economia e trabalho. A gente precisa. Pro dia a dia: trocado. Pras exceções e apertos: bufunfa. Salário suado, a gente aprende a dar valor. Tutu e cobre. A gente torce pra que sobre algum. A gente sabe que precisa guardar. Cuidar bem do que é nosso. Patrimônio, bens, capital. E, enquanto a gente pensa que precisa mesmo, que precisa muito, que precisa mais, precificam tudo ao nosso redor. Pra facilitar um pensamento que já indica que conta bancária é tudo e que tudo se pode comprar. Pagando bem que mal tem? Até água, até terra pra morar, até comida que preste. Até companhia, até sexo, até liberdade. Até certezas, até verdades, até conexões. A gente pensa que precisa. A gente pensa que pode comprar. E confunde o que é vontade com necessidade. Se vender é o que não vale. A gente precisa, tá dito. Certa quantia, alguma importância. Mas não tanto, nem pra tudo. Pé-de-meia também se faz de amor, família e descanso. O que não se compra vale mais. Fortuna em forma de afeto, riqueza que cabe em tardes tranquilas de domingo cercadas de gente preciosa. Tesouro, de fato.


E tem playlist:

.dia do Índio – outro olhar.

Um amigo meu que é também professor escreveu: “Amanhã é dia de pintar o rosto e colocar pena na cabeça da criançada, pra homenagear quem sofre golpe desde 1500“. Ele que, diferente de mim, trabalha com turmas do Fundamental I, de 6 a 10 anos, conhece bem essa repetição anual que vem com o pacote completo de pena na cabeça, cara pintada, índio sem roupa e de arco e flecha na mão, música da Xuxa, algumas lendas e nenhuma discussão e desconstrução. Isso também se repete para aos alunos mais velhos ou simplesmente nada se fala sobre o Dia 19 de abril. Mas dá pra ser diferente.

Existe uma quantidade enorme de formas de abordar as questões indígenas em sala de aula. E, mais do que isso, existe conteúdo bastante bom pra todo mundo que mora fora das aldeias, mas sabe que precisa entender de questões que saem do âmbito do próprio umbigo.

As reflexões cabem a todos, o conhecimento cabe a todos e a desconstrução de um imaginário ultrapassado também.

Em sala de aula, a gente cria jeitos de tornar o assunto atrativo e propor discussões. Neste ano, como ponto de partida, usei fotos (aqui, aqui e aqui), dados do IBGE e reportagens recentes sobre a questão indígena. O ponto de partida para nossas conversas sobre tudo que olhamos foram 5 palavras: História, contexto, empatia, análise e questionamento.
Clique aqui para ver a primeira etapa do trabalho dos alunos

Eu, nas minhas aulas de Português e de Projeto (de Escrita e Fotografia), e a professora de Ciências, em suas aulas, nos organizamos para trazer informações novas aos alunos para garantir que essa semana não passasse em branco. Na próxima semana, juntas, vamos passar um vídeo (A luta dos povos esquecidos) para as turmas de 8° ano (nossos alunos mais velhos) para aprofundar a discussão. 

Sendo ou não professor, sendo ou não aluno, as indicações que se seguem se fazem necessárias para a formações de um olhar mais humano e, ao mesmo tempo, politizado sobre as questões indígenas:

Livro: Coisas de Índio (Daniel Munduruku)Resultado de imagem para Coisas de índio: versão infantil

O livro Coisas de Índio traz o olhar indígena para suas próprias vivências e as pluralidades existentes
nessas.
Daniel Munduruku é nascido em Belém, escritor e professor brasileiro, pertencente à etnia indígena mundurucu. É graduado em filosofia, história e psicologia. Tem mestrado em antropologia social pela USP. É doutor em educação também pela USP. É Diretor-Presidente do Instituto Uk´a – Casa dos Saberes Ancestrais.
Além desse, ele tem muitos outros livros sobre a questão indígena.
As Salas de Leitura das escolas e Bibliotecas da Prefeitura de São Paulo têm alguns títulos, além do Coisas de Índio: Kaba DarebuHistorias de ÍndioCrônicas de São PauloHistórias que Eu Vivi e Gosto de Contar, e outros.

.carnaval.

Militão dos Santos – Carnaval de Olinda

A gente também precisa de festa. De luta e de festa. De trampo e de festa. E ócio. A gente precisa de som, balanço e cor. Todo dia é dia de ser feliz. Mas a gente precisa extrapolar pra aprender como é que se faz. A gente precisa de diversão, de folia, de fantasia. Ser grande e sem medida. A vida precisa de farra. Caçar motivo, inventar razão. Tamborim e cuíca – precisa. Também tem que ter brincadeira. Pra rir da graça do outro. Pra abraçar o riso que não é nosso. E olhar com olhos sinceros gente que a gente nunca viu. A gente precisa de gente que ocupe as ruas e cante canções. Precisa pular embaixo de sol, se vestir de outros e aproveitar os motivos pra brindar. Liberdade pra ser espalhafatoso e cômico. É festa da carne, dizem. Mas não só. A alma também festeja. E o coração bate acelerado como quem toca o batuque. E combina com o Verão. E segue o bloco. Enfeita a vida da gente. Que também é feita de ócio, e de trampo, e de luta. Porque a vida é curta. Mas não precisa ser pequena.

Playlist de Carnaval <3
Resultado de imagem para spotify

Botemos nosso bloco na rua.

.chuva, chuvisco, chuvarada.

Chuva segue curso, desfaz nuvem e lava a alma. Acalma dias quentes. Desmonta certezas, convicções e segurança. Faz barulho que abraça, faz estrondo que assusta. Faz crescer raiz, florescer, frutificar, mas também derruba galho que não é firme. Debaixo de teto resistente é bonita de ver. Ao relento, traz medo e aflição. É o contrário de seca que assola. Força que afasta o que é árido. Metáfora perfeita pras variantes da vida e as sensações que a preenchem. Escorre, percorre, precipita. Temporal leva junto o que faz mal. Tem que ser mar pra entender. Aguaceiro deve ter canto pra correr. Terra boa pra sorver. Pé d’água pode cair em rio que é livre. Não há tempestade que dure pra sempre. Estiagem, do mesmo modo, precisa passar. Há chuvisco companhia, chuvarada que é aconchego.  A gente percebe de onde se está. Abrigo também é poesia. Alma feita de sol aproxima o arco-íris. O tempo é bom quando chove. Deixa cair.

chuva_Leonid Afremov




Playlist: Chove lá fora 

Resultado de imagem para spotify